Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ni and Me

Somos um casal da década de 60 com muitos anos de cumplicidade, amor, amizade e respeito mútuo. As viagens, mas não só, são um tónico que mantém viva esta relação e este projeto a dois.

Ni and Me

Somos um casal da década de 60 com muitos anos de cumplicidade, amor, amizade e respeito mútuo. As viagens, mas não só, são um tónico que mantém viva esta relação e este projeto a dois.

Alma de xisto

As pedras fazem parte da minha vida.

Sempre que viajo recolho pedras, algo me impele a apanhá-las.

Em casa, coloco-as sempre em lugar bem visível. Cada uma delas me recorda por onde passei, e vêm-me à memória locais e momentos fantásticos.

De todas elas, o xisto tem um lugar de destaque. Adoro o Portugal de xisto, as suas montanhas, as aldeias, os riachos, as iguarias, as suas curvas, as constantes subidas e descidas, os lugares inóspitos, as gentes batalhadoras mas simpáticas.

Tudo o que elaboro tem alma própria, uma construção específica. É como escrever um livro, mas sem palavras.

As páginas vão sendo escritas peça a peça, por vezes faltam-me as palavras, mas lá encontro o meu caminho de volta e sigo a todo o gás até ao ultimo capítulo.

Quando termino, ao invés de um livro, não se pode emendar ou alterar as páginas escritas.

IMG_E3077 (2).JPG

 

IMG_3110 (2).JPG

 Por vezes é mais fácil pegar no lápis e escrever uns versos, isto acontece quando o projeto de artesão fica sem ideias e logo vem ao de cima a alma de poeta.

Sempre gostei de escrever em verso, de brincar com os tipos de rima, apanhar as palavras adormecidas e dar-lhes uma ordem com sentido.

 

Imagino e nasce a ideia,

Rabisco, ganha vida,

Pedra a pedra monto a teia,

A ideia foi concluída.

 

Partilho convosco estes livros em pedra e uns versos soltos.

Me

 

2 comentários

Comentar post